domingo, 17 de maio de 2009

Barulho ou arte?

O mundo contemporâneo está cheio de barulho: trânsito, música, sirenes, balbúrdias diversas. Vivemos aos gritos. São tantos os barulhos da cidade que eles se sobrepõem, se anulam, perdem importância. O homem de hoje titubeiam suas percepções sonoras. Na música, porém, compositores reagem a isso, incorporando ruídos urbanos ou voltando-se para o mínimo. Um exemplo disso é o grupo Legião Urbana, que acopla a sua música “Fábrica”, sons característicos, ao que acontece em fábricas.
Os ruídos estão entupindo nossos ouvidos. A confusão sonora da vida moderna nasce ( e renasce) na ré dos ônibus, na segunda marcha da moto, na cavalgada da Britadeira, nos celulares com o poder sonoro de rádio, no aviso do micro-ondas, na fala histérica da TV, nas conversas em voz alta – em qualquer lugar e em todas as horas. Muitos ao tentar fugir do ruído urbano, fecham os ouvidos com o barulhinho do MP3. Mas ainda é pouco.
Sendo assim para de ver a novela, e vai ler um livro... Pelo menos assim você tem algo de útil para discutir com seus amigos.

Um comentário:

  1. somos inundados não só pela poulição sonora como também a visual. vivemos em um inferno que tem pressa, em uma confusão que nos deixa cada vez mais loucos. somos um bando de loucos tentando adaptar-se a um mundo mais louco ainda. não nos damos o trabalho de reservar um tempo para nosso bem estar e crescimento pessoal. vivemos em uma competição constante - o que eu gosto, na verdade- mas algumas pessoas tornam-se obsecadas e esquecem de alguns valores mais primordiais que estes ;D valeu levino, ótima postagem :D

    ResponderExcluir