quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Textos sem sentido - parte I



Este texto foi escrito, na realidade, cerca de quatro anos atrás. Ele narra a história de um grupo de pessoas, como na época eu era SUPER original, resolvi transcrever o nome de meus colegas de oitava série para o papel atribuindo a eles qualidades e personalidades distintas, claro é um texto feito quando eu ainda estava no ensino fundamental, portanto não analise o vocabulário e sim o quão cômico esse texto é...

Um dia Mortal

Numa tarde chuvosa de verão, eu e minha amiga Daniele estávamos andando pela rua, quando vimos a Andressa, a Emely e a Fernanda, comprando bolsas numa loja, atravessamos a rua para encontrá-las, depois de alguns minutos conversando fomos embora e alguns metros longe dali, tinha ocorrido um acidente de transito, os envolvido eram a Fabriny e a Letícia. Fiquei parado em estado de choque, então a Dani foi chamar a polícia, os bombeiros e uma ambulância, os policiais eram o Rafael e o Netta, os bombeiros eram William, o Davi, o Gabriel, o Jean, o Patrick e o Calabresa (Mateus dos Anjos), e o pessoal da ambulância eram o Jeison e o Buzão (Mateus Demoliner), soque na Hora da chegada a ambulância acabou atropelando mais duas pessoas o Charles e a Liz. ”No mesmo instante, a morte aparece, BRUNA”.

Alguns dias depois eu fui ao hospital visitar a Fabriny, o Charles, a Letícia e a Liz, soque para minha surpresa descobri que a Letícia e a Liz tinham morrido e o Charles e a Fabriny estavam em coma, fique sabendo disso pelas das enfermeiras Suellen, Marina e Raíssa que estacam cuidando deles juntamente com o médico Henrique. Chamei minha mãe pelo celular porque ela morava em outra cidade; no mesmo dia minha mãe e meu sobrinho menor Nani (Felipe)vieram visitar a Fabriny,no hospital.Durante a visita a Fabriny teve uma recaída, e a enfermeira Suellen foi chamada as pressas,pois o médico responsável estava em uma cirurgia de emergência.Como os corpos das mortas ficaram deformados os maridos Cachapa (André) e Vinícius tiveram que reconhece-las.

Com muito esforço a Fabriny e o Charles saíram do coma,e depois de alguns dias em observação já conseguiam falar e disseram:

-Fé na vida...

-Fé no homem...

-Fé no que virá.

Fim?!

(Será mesmo?!)

Viagem ao Beto Carreiro na oitava série
(Não me critique você também já estragou uma foto no Paint)

Nenhum comentário:

Postar um comentário